Rádios

Escutar Radio Fronteira FM Escutar Radio Cultura AM Escutar Radio Gaúcha

Clima

Inspetoria Veterinária dá informações e orientações sobre piolheira e sarna ovina

c_230_200_16777215_0___images_stories_27-11-2010_Rebanho-Ovino.jpgO inspetor veterinário e zootécnico da secretaria estadual da Agricultura para a região de São Borja, médico veterinário Paulo Alexandre dos Santos, está repassando através da imprensa informações e orientações sobre piolheira e sarna ovina, com focos registrados no município. Paulo Alexandre informa que a piolheira e a sarna em ovinos são enfermidades causadas por parasitas externos, que atacam a pele dos animais e que resultam em sérios prejuízos sanitários e econômicos para eles. De acordo com o Inspetor Veterinário, para se constatar as enfermidades é possível se observar alguns sinais de irritação nos ovinos que ficam inquietos, esfregam-se, coçam-se, ficando após movimentação mais agitados ainda. A lã acaba caindo e fica presa em instalações, cercas de arames, campos da propriedade e acabam se tornando novas fontes de infestação, destaca Paulo Alexandre.
No caso da não constatação dos parasitas em seu rebanho, explica o veterinário, o produtor deverá ter muito cuidado quando da introdução em sua propriedade de ovinos procedentes de outras propriedades, exigindo a Guia de Trânsito Animal (GTA) pela Inspetoria Veterinária e ainda deverá realizar banhos preventivos, diminuindo assim a possibilidade de infestação.
A piolheira e sarna ovina são enfermidades de notificação obrigatória, uma vez que haja suspeita ou confirmação de infestação por essas parasitoses, o produtor deverá imediatamente comunicar a Inspetoria Veterinária Zootécnica, diz Paulo Alexandre, para que seja feita revisão dos rebanhos atacados e dos rebanhos lindeiros e determinar o tratamento para a doença.
O médico veterinário lembra que, embora os casos possam ocorrer em qualquer época do ano, o produtor deve estar mais atento no inverno e na primavera quando a piolheira é mais freqüente em função lã dos ovinos estarem mais alta. Já a sarna ovina manifesta-se em qualquer estação do ano.
O alerta do Inspetor Veterinário destaca que as doenças trazem outras implicações, pois as feridas provocadas pela irritabilidade tornam-se porta de entrada para miases (bicheiras) e outras infecções e com isso os ovinos acabam sendo acometidos com perda de peso, fraqueza e morte. Para o produtor há perda ou depreciação da lã, diminuição na produção de cordeiros e aumento dos custos com tratamentos mão de obra e instalações.
Quanto ao tratamento da piolheira ovina, o médico veterinário diz que é feito através de banhos, podendo ser de imersão (preferencial), aspersão, ou ainda Pour-on, com intervalo de 15 a 18 dias. No combate à sarna ovina, orienta Paulo Alexandre, o tratamento é feito também através de banhos de imersão ou aspersão e por meio de produtos antiparasitários injetáveis e com intervalo de 8 dias, utilizando somente produtos veterinários recomendados pelo serviço oficial.
Finalmente o inspetor veterinário destaca que, “por sua exigência, os ovinos requerem cuidados especiais de sanidade, alimentação e manejo em sua criação. Não devemos esquecer nunca o dito popular ovelha não é para mato e que existem dois tipos de criadores de ovinos: os verdadeiros ovinocultores e os produtores que tem ovelhas. Entre eles há imensurável diferença”.
Outras informações sobre o assunto a Inspetoria Veterinária pode ser procurada ou acionada pelo telefone 3431-1172.
Foto: Rebanho ovino está sendo atacado por doenças